.

RJ ultrapassa SP em nº de mortes por Covid em 24h pela 1ª vez

JBelmont

08Maio2020

Por Belmont às 11h17

RIO - Com a rede de saúde em colapso e mais de mil pessoas à espera de um leito hospitalar, a cidade do Rio se viu diante de um novo pico de mortes por coronavírus, nesta quinta-feira. Epicentro da pandemia no estado, a capital teve confirmadas 155 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas — o triplo do número mais alto registrado até então, que foi de 51 óbitos em um dia. Tanto no estado quando no município, apesar de oscilações diárias, o sinal de alerta disparou porque cerca de 90% dos leitos com UTIs para Covid-19 já estão ocupados. E há fila de pacientes em busca de vaga para internação.

Witzel:'Lockdown ficará a cargo dos municípios, que terão apoio das polícias Civil e Militar'

No estado, também houve recorde de mortes. Segundo o boletim divulgado pela Secretaria estadual de Saúde, o Rio registrou mais 189 óbitos nesta quinta. O número mais alto em 24 horas tinha sido 82 mortes, na quarta-feira. A triste realidade acontece num momento em que o prefeito Marcelo Crivella e o governador Wilson Witzel estudam a possibilidade de um lockdown.

Há 570 óbitos em análise
Só na cidade do Rio, 9.051 pessoas já foram infectadas e 919 morreram. No total, o estado já acumula 1.394 mortes e 14.156 casos desde o início da pandemia. Há ainda 570 óbitos em investigação.

Crivella já disse que analisa as recomendações de lockdown feitas por um relatório da Fiocruz, mas que também recebe pedidos de empresários para aliviar as restrições. Após fechar nesta quinta o calçadão de Campo Grande, a Guarda Municipal bloqueia, a partir desta sexta, o de Bangu. O governador do Rio, Wilson Witzel, decidiu transferir para os prefeitos a decisão de implantar o lockdown. Ele prometeu que os municípios terão o apoio da polícia.

Diante da escalada da doença, o Rio ganhará na próxima segunda-feira o terceiro hospital de campanha, no Parque dos Atletas, na Barra. Começa com cem leitos e, no dia 22, estará com toda sua capacidade: 200 vagas, sendo 50 em UTI. O hospital, que custou R$ 50 milhões, é patrocinado pela Rede D’Or (que também fará a gestão), pelo Movimento União Rio, pela Stone Pagamentos, pela Vale, pela Mubadala e pelo Banco BV.

 



Lanchonete de portas fechadas em Campo Grande, na Zona Oeste. Acessos ao calçadão do bairro estão fechados desde às 5h desta quinta-feira, por determinação do prefeito Marcelo Crivella Foto: Hermes de Paula / Agência O Globo

Deixe seu comentário
Insira os caracteres conforme a imagem acima.

Perfil do Blogueiro

JBelmont
José J Belmont Natural de São José de Campestre RN Radialista, ex vereador de Mossoró e ex deputado estad…
Leia +